Mulheres unidas: feminismo, economia solidária e agroecologia na rota Romana Barros

IMG_5426

A rota Romana Barros saiu cedinho rumo ao seu primeiro destino: a ASSOCIAÇÃO DE MULHERES ARTESÃS DE LAGOA DE SALSA – ASMAIS, localizada próxima à cidade de Tibau. Uma mesa linda e colorida com frutas, doces, bolos e artesanato esperava pelos participantes da Caravana agroecológica e Cultural da Chapada do Apodi.

Das 18 mulheres associadas, Cleide (presidente da ASMAIS), Tatiana Muniz e Francisca Lima, mais conhecida como Neneide (ambas da coordenação da rede Xique Xique) junto ao senhor Jecino Pereira (líder comunitário) falaram de seus trabalhos agroecológicos e da luta pelo direito à terra que ocupam desde o ano de 1996. Em 2005, o SEARA concedeu os títulos das terras para as famílias devido ausência de comprovação de propriedade privada. Estas licenças foram invalidadas neste ano de 2013: um suposto dono dos lotes quer desapropriar mais de 220 famílias, que moram e produzem nas comunidades de Lagoa de Salsa e Vila Nova, para vendê-las no intuito da instalação de usinas eólicas.

Tatiana Muniz, da Rede Xique Xique, falou sobre a importância de as mulheres estarem organizadas: “Os homens diziam que nós, mulheres, não sabíamos fazer nada. Mas nós nos organizamos na Marcha Mundial das Mulheres, nas cooperativas, nos sindicatos e fazemos as lutas junto com os homens. Lutando, tudo é possível”.

A rota segue para as cooperativas de beneficiamento de frutos do mar: COOTIPESCA, na cidade de Tibau e Associação das marisqueiras de Grossos, Pernambuquinho. Na oportunidade, discute-se o processo de geração de renda a partir da prática pesqueira e do aproveitamento do pescado. E ainda em Grossos, uma roda de conversa esclareceu sobre como funciona a Rede Xique Xique que comercializa produtos agroecológicos.

Passando pela sede da Rede Xique Xique em Mossoró, pois a rede é todos os lugares em que os associados estão desenvolvendo seus trabalhos, priorizando os valores humanos e do meio ambiente, houve degustação de bolos, sucos e amostra dos produtos comercializados pela rede.

Ainda falando sobre a rede, Neneide explica que “mesmo com todas as dificuldades que a gente enfrenta, como a falta de condições pro trabalho, o machismo e a briga pelo direito de nossas terras, a agroecologia, o feminismo e a economia solidária são respostas para nossas vidas”.

A última parada foi o momento de avaliação da rota, em que os participantes fizeram uma avaliação sobre as atividades do dia no Memorial da Resistência – Mossoró. Nas falas, os participantes relataram a importância da experiência: “Me senti fortalecida de ver que existem mulheres com tanta força e homens também que acreditam nessas mulheres fazendo a verdadeira agroecologia” (Ana Cristina, MG). Por fim, um momento místico com uma grande ciranda, onde todas e todos puderam renovar suas esperanças e forças para os próximos momentos de luta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s