Dirigente nacional do MST visita Mossoró e participa de ato em Apodi nesta sexta-feira

Imagem

Antes do ato, João Pedro Stédile conversa com a imprensa mossoroense sobre conjuntura e a situação da Chapada do Apodi

A luta e resistência das famílias da Chapada do Apodi recebem um reforço com a presença e apoio de João Pedro Stédile, membro da direção nacional do MST, nesta sexta-feira, 25. Às 14h, ele realiza um bate-papo com a imprensa, em Mossoró, na sede do Centro Feminista 8 de Março (CF8) e em seguida vai para Apodi, onde participa de um ato, às 16h, no Acampamento Edivan Pinto.

A vinda de João Pedro Stédile está dentro da programação da Caravana Agroecológica e Cultural de Apodi, que está sendo realizada desde a última quarta-feira, 23, abrangendo os estados do Rio Grande do Norte e Ceará e se encerra neste sábado, 26.

Além de promover o intercâmbio de experiências da agricultura familiar de base agroecológica da Chapada do Apodi, a Caravana também denuncia a ameaça que as famílias apodienses vêm sofrendo com o avanço do agronegócio na região. O projeto Perímetro Irrigado da Chapada do Apodi do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), chamado pela população de “Projeto da Morte”, se implantado, irá desapropriar mais de 13 mil hectares de terras, onde vivem e produzem 800 famílias, para que cinco empresas produzam frutas para exportação.

Como prova de resistência, as famílias se uniram e criaram o Acampamento Edivan Pinto, que hoje possui mais de mil famílias acampadas.

Sobre João Pedro Stédile:

João Pedro Stédile (Lagoa Vermelha, Rio Grande do Sul,  25 de dezembro de 1953) é um economista  e ativista social brasileiro. É membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), do qual é também um dos fundadores.

Gaúcho (sul-rio-grandense ) de formação marxista, é um dos maiores defensores de uma reforma agrária no Brasil. Filho de pequenos agricultores originários da província de Trento, Itália, reside atualmente em São Paulo.

É graduado em economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, e pós-graduado pela Universidade Nacional Autônoma do México.

Atuou como membro da Comissão de Produtores de Uva, dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais do Rio Grande do Sul, na região de Bento Gonçalves.

Assessorou a Comissão Pastoral da Terra (CPT) no Rio Grande do Sul e em âmbito nacional e trabalhou na Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul.

Participa desde 1979 das atividades da luta pela reforma agrária, no MST e na Via Campesina Brasil.

Bibliografia

João Pedro Stédile é autor ou co-autor de diversos livros sobre a questão agrária.

Brava Gente: a Trajetória do MST e a Luta Pela Terra no Brasil, com Bernardo Mancano Fernandes. São Paulo. Editora Perseu Abramo: 1999. ISBN 8586469173.

Classes Sociais em Mudança e a Luta Pelo Socialismo, com Francisco de Oliveira e José Genoíno. São Paulo. Editora Perseu Abramo: 2000. ISBN 8586469394.

Ruy Mauro Marini: Vida e Obra, com Roberta Traspadini. São Paulo. Editora Expressão Popular: 2005. ISBN 8587394827

A Questão Agrária no Brasil: o Debate Tradicional: 1500-1960. São Paulo. Editora Expressão Popular: 2005. ISBN 8587394681

A Questão Agrária no Brasil: o Debate na Esquerda: 1960-1980. São Paulo. Expressão Popular: 2005. ISBN 858739472X

A Questão Agrária no Brasil: Programas de Reforma Agrária: 1946-2003. São Paulo. Expressão Popular: 2005. ISBN 8587394711

Leituras da Crise, com Marilena Chauí, Leonardo Boff et al. São Paulo. Editora Perseu Abramo: 2006. ISBN 857643024X

Sobre a Chapada do Apodi:

A Chapada do Apodi fica entre o Ceará e o Rio Grande do Norte. No fim dos anos 80 o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) implementou um projeto de irrigação no lado cearense. A área irrigada foi ocupada por cinco grandes empresas de fruticultura, desestruturando a produção de milhares de pequenos agricultores. O uso em larga escala de agrotóxicos – inclusive com pulverização aérea – contaminou os canais de irrigação que servem às lavouras e às comunidades.

Em Limoeiro do Norte, Quixeré e Russas – cidades cearenses por onde se estende o perímetro irrigado – a incidência de câncer é 38% maior do que em cidades com população semelhante, mas que não estão expostas a tanto veneno. Um terço dos trabalhadores das empresas fruticultoras já sofreu intoxicação. O líder comunitário Zé Maria do Tomé, que denunciava o envenenamento da água, foi assassinado há três anos. O gerente de uma das empresas fruticultoras é acusado de ser o mandante do crime.

Em 2013 o mesmo DNOCS deu início a um projeto bastante semelhante no lado potiguar da chapada, onde vivem cerca de 6 mil agricultores familiares cuja produção orgânica de frutas, hortaliças, cereais, mel e carne caprina é uma referência nacional. O projeto do DNOCS prevê o cultivo de cacau e uva no sertão potiguar e foi elaborado sem qualquer participação das comunidades afetadas. Os agricultores familiares agroecológicos da Chapada do Apodi, contudo, estão organizados para resistir e adaptar o projeto às reais necessidades de quem vive e já produz – e muito – no semiárido brasileiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s